Tecnologia

« Voltar

ANÁLISE CROMOSSÔMICA POR MICROARRAY (CMA) -ARRAY-CGH 750K

CMA por Array-CGH ou Hibridização Comparativa do Genoma é uma técnica de citogenética molecular de alta resolução, capaz de analisar simultaneamente todos os cromossomos e detectar microdeleções e/ou microduplicações neles existentes. Essa técnica é indicada para pacientes que apresentam dismorfias, atraso do desenvolvimento, autismo, abortos, defeitos congênitos ou outras condições.

CMA por Array-CGH possui uma capacidade de resolução muito maior do que a citogenética tradicional, e é recomendada para pacientes que têm cariótipo normal, mas apresentam sintomas de anormalidades, e também para aqueles em que há necessidade de uma investigação molecular mais profunda.

Para comparar, o cariótipo com bandeamento G convencional permite analisar de 400 a 600 regiões (bandas) dos cromossomos. O CMA por Array CGH de 750k analisa 750.000 regiões cromossômicas.

CITOMETRIA DE FLUXO

A Citometria de Fluxo é uma técnica rápida e precisa utilizada para contar, analisar e classificar simultaneamente partículas microscópicas marcadas por diferentes radicais químicos chamados fluorocromos. Essas partículas, suspensas em um meio líquido, são aspiradas por um aparelho chamado Citômetro de Fluxo, e nele atravessam feixes de raios laser. A energia desses raios excitam os fluorocromos, que emitem sinais fluorescentes.

O uso de fluorocromos diferentes em citômetros com vários lasers e vários fotodetectores, permite medir simultaneamente diversas características de cada partícula (em uma célula, por exemplo) facilitando sua contagem, identificação e análise (Citometria de Fluxo Multiparamétrica).

No LIG Diagnósticos Especializados, a Citometria de Fluxo é usada em conjunto com plataformas Luminex e softwares especiais. Dessa forma, aumenta a rapidez, precisão e a sensibilidade de alguns exames, como a Tipagem HLA molecular, pela análise de DNA ligado a esferas magnéticas marcadas, e também o Painel de Reatividade de Células (PRA), que detecta anticorpos no soro de pacientes à espera de transplante de órgãos.

HIBRIDIZAÇÃO MÚLTIPLA EM MICROARRAY

Os microarrays ou biochips de DNA se constituem de pequenos fragmentos de DNA de fita simples (sondas representativas de um determinado gene) aderidos em pontos específicos (spots) de um suporte sólido, geralmente um vidro especial, plástico ou silicone. Esse suporte tem tamanho semelhante a uma lâmina de microscópio óptico. Os fragmentos do material genético a ser analisado são marcados com corantes fluorescentes, e postos a reagir com as sondas. Se encontrarem DNA complementar entre as sequências fixadas no suporte, ocorre hibridização. Quando as lâminas são lavadas, apenas o material hibridizado fica retido na placa e fluoresce após exposição a laser.

Essa técnica permite hibridização de ácidos nucleicos em grande escala, favorecendo a análise de um grande volume de dados simultaneamente. É muito útil em diversos casos, como na análise prévia da composição genômica de determinado organismo, em triagens de genes envolvidos com câncer, síndromes metabólicas ou para a detecção simultânea de múltiplas infecções causadas por diversos patógenos.

PCR EM TEMPO REAL

A técnica de PCR (reação em Cadeia de Polimerase), muito usada em nossos dias, consiste na obtenção em laboratório de várias cópias de uma região genética (amplificação), de modo a se ter maior quantidade desse pedaço de DNA para realização de uma análise.

Uma evolução dessa técnica, o PCR em Tempo Real, permite que a amplificação e a detecção do novo fragmento de DNA ocorram simultaneamente, com altíssima sensibilidade, gerando um sinal fluorescente detectável desde o início do processo, e possibilitando a obtenção de um resultado qualitativo e/ou quantitativo de forma rápida e precisa.

O PCR em Tempo Real é especialmente útil no diagnóstico e monitoramento de vários problemas de saúde, como infecções por microorganismos de cultura difícil ou demorada, mesmo em fase latente ou crônica, ou outras situações em que a quantidade de partículas é tão pequena, que não é detectada por métodos que utilizam marcadores como anticorpos, proteínas ou metabólitos. Essa técnica também é de grande importância para diagnóstico de resistência microbiana, câncer e doenças genéticas.

O PCR em Tempo Real pode ser feito com qualquer tipo de material biológico, e favorece a abordagem precoce da doença com terapia específica, reduzindo o tempo de tratamento e aumentando sua eficácia. Também permite o monitoramento da resposta terapêutica, permitindo o ajuste individual da dose do medicamento e diminuindo a ocorrência de efeitos colaterais.